Hammett e Chandler vão à TV

banshee

Banshee é a melhor série da TV. Inspirada na literatura pulp de Hammett e Chandler, é um prato cheio para quem curte Tarantino, Clube da Luta e Clint Eastwood.

Ok, eu sei que esse é um site sobre literatura policial, mas preciso quebrar o protocolo só essa vez e fazer uma coluna sobre televisão. Espera. Não fecha esse artigo, lê até o fim, ele é feito pra você que se amarra numa boa trama policial hard-boiled, novidade e Tarantino.

Banshee. Conhece?

Não? Eu sei que não. Quase ninguém conhece esse seriado do Cinemax americano, no ar desde 2011, mas a partir de hoje isso vai mudar.

Criada pelo mesmo cara que nos deu True Blood, Banshee simplesmente faz um scanner em toda a ficção pulp produzida entre os anos 1920 e 1940 e copia as melhores coisas em roteiros altamente inteligentes. Estão lá, saca só: a femme fatale, o detetive durão, o filho da puta, a seita religiosa do mal, o monstro, o sangue, a porrada, o sexo, enfim, tudo que uma boa história pulp precisa. Some-se a isso atores desconhecidos e talentosos, uma edição vertiginosa e direção impecável.

Se você leu até aqui é porque gostou.

Segue em frente que tem mais.

A história: um homem sem nome (beijos, Clint) sai da cadeia e vai até um salão de beleza em Nova York comandado por um hacker travesti (sim). Depois de perguntar onde “ela” está, nosso amigão ex-condenado se mete num tiroteio com a máfia ucraniana em plena Big Apple e rouba uma moto, partindo para… Banshee, na Pennsylvania. Dominada por uma paisagem rural, povoada por Amish (aqueles que acham que ainda estão em 1850) e índios, além da típica galera do interior norte-americano, a cidadezinha não oferece nada a ninguém. Cansado da viagem, nosso amigo para num bar para tomar aquele drinque esperto que todo Sam Spade aprecia. Eis que para ao lado dele o novo xerife da cidade, Lucas Hood. No meio do papo entre os dois, bandidos invadem o bar e rola outro tiroteio. Até aí estamos em quinze minutos de projeção – Banshee é tão boa que é cinema sim. O xerife morre. O ex-presidiário vai enterrar seu corpo e vê um celular tocando no bolso do morto. O que ele faz? Corre? Nope. Atende. E se faz passar por.. Lucas Hood, o novo xerife de Banshee.

Esse é o preâmbulo. Conforme a série se desenvolve, descobrimos o passado desse cara, quem é a mulher que ele quer encontrar em Banshee e toda a fauna de personagens bizarros que lá habitam: Kai Proctor, nascido amish e agora empresário inescrupuloso, vulgo filho-da-puta; Siobhan Kelly e Brock Lotus, policiais da delegacia, que por sinal funciona numa velha loja de automóveis.

Chegou até aqui? YAY. Vamos agora ao molho especial dessa salada toda: lembram que eu falei da máfia ucraniana? Pois é. Os caras vão atrás do agora Lucas Hood. Nas temporadas seguintes, em meio à pancadaria de todo episódio – muito bem justificada, diga-se de passagem –, temos: neonazistas (desgraça pouca é bobagem), índios com ódio dos pele-branca, ringues clandestinos (abraço, Tyler Durden), e muito, muito mais.

Paro por aqui.

Se isso não foi suficiente para te convencer a assistir à melhor série da atualidade, você está erradíssimo(a).

Banshee é arte pura. Obviamente, não recomendada para os estômagos mais fracos, mas eu aposto que você também senta no cinema empolgadíssimo(a) pra ver o novo do Tarantino, portanto… deixe o preconceito de lado e vá apreciar a série que Dashiell Hammett, Raymond Chandler e James M. Cain teriam escrito, se vivos.

mateus1

Compartilhe aqui!

4 comentários em “Hammett e Chandler vão à TV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.