A pedido do embaixador, de Fernando Perdigão

perdigao2

Detestável e formidável

Por Rogério Christofoletti – Junte numa mesma pessoa aquele cunhado homofóbico, o vizinho racista e o colega do trabalho que se diverte achincalhando nordestinos. Depois, encaixe-os num corpo imenso e dê à rotunda figura um distintivo da polícia. Coloque o personagem no Rio de Janeiro, ao lado da diminuta comissária Lurdes, e injete nele uma vontade incansável de limpar as ruas da cidade. Esta é uma receita abreviada do detetive Andrade, personagem que – desculpe o trocadilho! – rouba a cena em “A pedido do embaixador”, romance de estreia de Fernando Perdigão.

Escalado para investigar a morte de um empresário do turismo gay, Andrade vai usar seus próprios (e impróprios) meios para chegar ao assassino e os motivos que o levaram às vias de fato. Na cola dele, o secretário da segurança pública do Rio e um influente embaixador, que – para nojo de Andrade – já foi amante da vítima. Para piorar, o detetive não tem a confiança do delegado Otávio, e seus métodos causam estragos diversos. Afinal, Andrade arranca confissões com chantagens, ameaça informantes e vez ou outra usa a força.

perdigao4

“A pedido do embaixador” se equilibra num enredo bastante trivial, e poderia ser uma novela bem mais curta. Seu autor segue a cartilha da história policial clássica e é econômico em malabarismos narrativos. Apesar disso, o livro cresce em duas direções certeiras: tem excelentes diálogos e um protagonista incandescente. As frases curtas e diretas, e a troca rápida de falas torna a leitura muito fluente, quase viciante. Andrade não tem qualquer compromisso com o pudor e o politicamente correto, o que permite um repertório de tiradas inspiradas, mas altamente reprováveis. Não é raro que o leitor se constranja diante do que lê. É fácil também que exploda em gargalhadas, muitas delas nervosas. “Não tinha preconceito com nada, mas odiava gente: homens, em especial; e a sociedade inteira, em geral”.

Assim, Andrade esculacha Dolores, a doméstica nordestina que cuida de tudo em sua casa. Ironiza de forma perversa os mais pobres, os indefesos e aqueles que considera subalternos, parcela expressiva da humanidade. É grosseiro, bruto e arbitrário. Não apenas se acha um ícone policial, mas uma autoridade moral por onde passa. Não precisamos de muitas páginas para perceber que é um animal em extinção, que resiste em se adaptar a novas condições. Andrade é um extemporâneo, um cara das antigas que sofre com a informalidade, a “promiscuidade” e outros sinais da decadência humana. Por isso, agarra-se a valores tradicionais como quem avança sobre uma bandeija de sanduíches. Aliás, essa fortaleza toda só se derrete diante de comida e da dançarina Suely, que resiste em assumir como namorada. As sessões de canto coral também acalmam seus nervos, bem como longos banhos de banheira, mas Andrade não pode perder tempo: quer descobrir quem matou Rubão…

perdigao3

Com humor inteligente e ácido, Fernando Perdigão apresenta aos leitores um personagem bem esculpido, talhado para chanchadas-noir ou minisséries de TV. Embora esteja em Copacabana, Andrade nunca será um delegado Espinosa (García-Roza). Apesar de ser patético em seus desvarios mitômatos, não chega a ser Ed Mort (Luis Fernando Verissimo) ou Diomedes (Lourenço Mutarelli). É notável por sua circunferência abdominal, mas sem a sofisticação de um Nero Wolfe (Rex Stout). O que mais chama a atenção na criatura de Fernando Perdigão é a ausência de concessões. Definitivamente, Andrade não é um sedutor, mas tem um magnetismo que talvez só mesmo Freud explique. É indomável, incorrigível, repugnante. Magicamente, não o abandonamos no meio do caminho. Seguimos ao lado desse trator mesmo com tanto fel destilado. Não estaria aí mais um mistério a ser resolvido?

star3

perdigaoTítulo: A pedido do embaixador
Autor: Fernando Perdigão
Páginas: 240
Editora: Record
Este livro no Skoob

SINOPSE: O irascível – e enorme – detetive Andrade tem um novo caso pela frente. A pedido de um influente embaixador, ele tem de investigar a morte de Rubens, um belo homem com uma vida amorosa movimentada, pela qual passam homens e mulheres. Com suas controversas técnicas investigativas, Andrade envolve-se nas mais constrangedoras confusões ao lado de sua fiel parceira, a inspetora Lurdes. Nem um pouco politicamente correta, essa dupla de mal-humorados é dona das tiradas mais cômicas da literatura policial. Vítima, suspeitos, colegas de trabalho, ninguém escapa dos comentários ácidos do detetive mais preconceituoso de todos os tempos.

roger1

Compartilhe aqui!
  • 160
    Shares

Rogerio Christofoletti

Jornalista, dramaturgo e professor universitário. Já publicou 11 livros na área acadêmica e escreveu oito peças de teatro. É um dos autores do e-book "Os Maiores Detetives do Mundo" (Chris Lauxx).

Um comentário em “A pedido do embaixador, de Fernando Perdigão

  • dezembro 15, 2015 em 3:46 pm
    Permalink

    Em seu livro de estreia , Fernando Perdigao constrói seu personagem principal com matiz underground , um feito original , louvável ficcionalmente . Andrade detetive nos arrebata exatamente porque revela , sem meias palavras , sua idiossincrasia sócio-cultural . Todos os personagens do romance de Fernando sao convincentes . Estreia promissora .

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.