CRÍTICA | Professor Langdon passa o diabo na adaptação de Dan Brown

inferno3

O INFERNO DE DAN BROWN – O Robert Langdon do cinema está envelhecendo. Já não traz as fartas madeixas de “O Código Da Vinci” (2006) nem a vitalidade exibida em “Anjos e Demônios” (2009). Também! Já se passaram dez anos desde que Ron Howard passou a transpor para a grande tela os romances de Dan Brown em que o acadêmico de Cambridge cruza o mundo revelando mistérios aterradores e livrando a humanidade de destinos terríveis. Mas o recém-lançado “Inferno” – dirigido pelo mesmo Ron Howard – nos mostra que a idade está chegando para o personagem: as rugas se espalham pelo rosto em super closes, a testa está mais pronunciada que nunca, e o tronco e braços, mais flácidos.

Sim, o homem acabou de sair de uma cama de hospital e ainda está grogue com os medicamentos, mas o cansaço e o abatimento não vão abandoná-lo ao longo das quase duas horas de filme. E talvez esteja aí um sinal do andamento das coisas. Langdon está exausto e a experiência de seguirmos com ele em suas aventuras também esteja próxima do esgotamento.

 

Se comparado às produções anteriores, “Inferno” é mais sério, soturno e perturbador

 

Na trama, o professor acorda num hospital com um ferimento na cabeça e sem se lembrar do que viveu nas últimas horas. Pensa em estar nos Estados Unidos, após um compromisso profissional e ter passado mal. Percebe, confuso, que está a milhares de quilômetros de lá, na italiana Florença, e que levou um tiro de raspão na cabeça. Mal se recobra do susto, e uma policial invade o hospital atirando em tudo o que vê pela frente.

Langdon foge desesperado com uma médica local e descobre um dispositivo que liga os círculos do inferno de Dante Alighieri a uma teoria maluca do cientista Bertrand Zobrist para resolver os problemas de superpopulação no planeta.

inferno1

Colocadas as cartas na mesa e se você já leu Dan Brown ou conferiu alguma das adaptações para o cinema, já sabe mais ou menos o que vem pela frente: conspirações e segredos mortais, reviravoltas e traições, paisagens alucinantes em diversos países, perseguições e muita correria. “Inferno” não renega esse modelo – que para o escritor funciona como fórmula de sucesso -, mas a aventura fica bem aquém das anteriores.

A ameaça enfrentada é global e pode levar a um desastre sem precedentes na história da humanidade. E embora maluca, a ideia do cientista atrai adeptos fanáticos que acreditam no apocalipse do desordenado crescimento populacional, coisa pensada no século 18 por Thomas Malthus. O inferno não é um deserto, é o contrário. É gente demais, espalhando doenças demais, destruindo o planeta de forma acelerada, com comida, ar puro e água de menos. Este é o inferno de Zobrist.

 

Para o erudito Langdon, o inferno tem a cara que Botticelli deu a partir de Dante, e que muitos de nós ainda cultiva no inconsciente

 

Por isso, as alucinações do professor são horríveis e apavorantes. As cenas nos deixam muito mais perto da leva de filmes sobre apocalipses zumbis que das gincanas de história da arte a que estávamos acostumados com Langdon.

inferno2

Nosso herói está mais velho, parece mais cansado e suas esperanças se desvaneceram. Ele quer salvar o mundo de novo. Mas sua motivação parece estar mais no resgate de um amor do passado que não se realizou do que no bom-mocismo e na preocupação de preservar riquezas artísticas.

Por falar nisso, “Inferno” oferece raríssimas ocasiões em que o intelecto privilegiado de Langdon se sobressai ou mesmo cenas em que somos brindados com pequenas aulas de história medieval, simbologia e refinamentos artísticos. Os adaptadores passaram a faca nesse aspecto, e algumas cenas da história foram resolvidas de forma tão apressada que ficaram bem desfiguradas. Note, por exemplo, o que ficou de Veneza no filme. Aquela paragem parece gratuita e descartável. No livro, nem tanto… Temos menos arte, menos correria e menos charme em “Inferno”. Por outro lado, as locações são muito bem escolhidas e os efeitos visuais são de cair o queixo. Tom Hanks despeja uma carga dramática não exagerada, como em outros momentos da carreira, e Langdon se mostra para além do terno de tweed e da falação característica de professor.

Para o filme, falta um bom tema musical, que poderia ajudar na costura de partes esgarçadas no roteiro, esse sim, com oscilações de ritmo. “Inferno” se afasta bastante das aventuras que o precederam, mas ainda diverte. Mas por uma questão de justiça, e após Langdon ter passado o diabo, talvez seja a hora de o herói descansar…

roger12

Compartilhe aqui!
  • 28
    Shares

Rogerio Christofoletti

Jornalista, dramaturgo e professor universitário. Já publicou 11 livros na área acadêmica e escreveu oito peças de teatro. É um dos autores do e-book "Os Maiores Detetives do Mundo" (Chris Lauxx).

5 comentários em “CRÍTICA | Professor Langdon passa o diabo na adaptação de Dan Brown

  • outubro 15, 2016 em 2:49 pm
    Permalink

    Assistirei este filme hoje. Não tenho uma visão tão esclarecedora como a sua, mas ainda assim espero apreciar. Obrigado pelas dicas. Abraço!

    Resposta
      • outubro 17, 2016 em 3:13 am
        Permalink

        Obrigado por perguntar Rogerio. O filme realmente não se prendeu ao tema que me levou a crer tratar-se de algo místico e religioso, mas que se mostrou apenas científico, deixando uma incógnita no ar. Quem seria o responsável pelas pragas? Deus ou o homem? E quanto a lógica dos acontecimentos, vimos apenas tratar-se de interesses industriais e nada de motivos religiosos. É, poderia ter sido mais dramático e catastrófico, não sei. O suspense se sustenta durante um tempo mas falta continuidade para um clímax melhor. Mas fazer o quê? Achei no geral médio para fraco. Abraço!

        Resposta
  • outubro 16, 2016 em 11:48 pm
    Permalink

    Realmente partes do livro ficaram faltando, mas a história e a essência foi colocada.
    Achei a escolha da atriz ruim. Ela não tem expressão nenhuma. No caso da apatia dele, tudo se realizou em 24 horas então é compreensível.
    E não achei que foi um resgate amoroso. Achei ótimo no todo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.