Por que a literatura de crime não decola no Brasil?

slide1

FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE – A convite da Editora Libretos, o literaturapolicial.com participou da mesa “Literatura policial: um gênero que se renova”, com os escritores Tailor Diniz e Antônio Cattani. Um dos temas tratados foi o porque de a literatura de suspense nacional não se tornar um gênero mais popular no país, já que é um dos gêneros favoritos pelos leitores no mundo.

Rogério Christofoletti, colunista do blog, falou sobre essa questão e sobre o mercado para os livros do gênero na 62ª Feira do Livro de Porto Alegre.

Assista ao vídeo

 

ana2

Compartilhe aqui!
  • 107
    Shares

Rogerio Christofoletti

Jornalista, dramaturgo e professor universitário. Já publicou 11 livros na área acadêmica e escreveu oito peças de teatro. É um dos autores do e-book "Os Maiores Detetives do Mundo" (Chris Lauxx).

3 comentários em “Por que a literatura de crime não decola no Brasil?

  • novembro 6, 2016 em 11:30 pm
    Permalink

    “Mariposa”, de Patricia Baikal e “Operação Arcádia”, de Carol Bonacim mereciam ser lembrados, são excelentes romances policiais. Nacionais. Com orgulho!
    RicardoFaria

    Resposta
  • novembro 7, 2016 em 12:54 am
    Permalink

    Somos terceiro mundo. As elites e a classe média brasileira não têm biblioteca em casa, livro ocupa muito espaço. Não leem nada, nem catálogo telefônico. Preferem chocolate lindt. Tenho vários conhecidos que nunca leram um romance e os filhos seguem o mesmo caminho. Não passa pela cabeça desses senhores gastar na compra de livros. Restaurantes e vinhos são opções mais “inteligentes”. Além disso, o brasileiro não acredita nas Instituições, base da ficção policial. Transmitir o hábito da leitura, transformá-la num ato lúdico, é a única forma que conheço para mudar os costumes de um povo. E essa dívida vem dos tempos do Cabral.

    Resposta
    • novembro 10, 2016 em 11:15 am
      Permalink

      Olá, Ivan, sua consideração é revoltante, porém verdadeira. Como não concordar com suas palavras? Além disso, ter mencionado que há um problema na questão da credibilidade nas instituições e isso afetar o mercado da literatura policial no Brasil é uma visão bem cabível. Comecemos por nós a incentivar nossos filhos… o meu, de 4 anos, já tem uma mini-biblioteca bilíngue em sua estante. Fique bem, leia muito :). Abraço.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *