David Bowie é o homem que caiu na Terra, de Walter Tevis

Escrito por Walter Tevis, O Homem que Caiu na Terra é uma ficção científica publicada em 1963, com o título original de The Man Who Fell to Earth. A história é sobre um extraterrestre que chega incógnito no planeta Terra na década de 1980 em busca de um lugar para trazer o povo remanescente de seu planeta, um lugar chamado Anthea, que sucumbiu às guerras e teve praticamente todos os recursos naturais extintos.

O alienígena, que adota o nome de Thomas Jerome Newton, é escolhido para concluir a missão por ter uma ótima condição física após se preparar por 10 anos para enfrentar as adversidades da Terra, como o clima quente e a gravidade ameaçadora ao seu corpo frágil. Fisicamente, Newton é uma espécie de humanoide que precisa disfarçar partes do corpo para se passar por humano, como os olhos e as unhas. Ele até consegue enganar as pessoas, embora sua aparência esquisitona chame a atenção.

 

 

Os antheanos são muito mais evoluídos que os seres humanos. Com essa inteligência, Newton pretende construir uma nave espacial para resgatar seu povo. Para conseguir construir a nave, ele acumula uma grande fortuna patenteando uma série de invenções revolucionárias na Terra, como fórmulas e procedimentos desconhecidos pelos cientistas terráqueos. Em pouco tempo, a operação nave entra em ação. Porém Newton enfrenta imprevistos pelo caminho. Seu primeiro alerta acontece quando se vicia em álcool e entra numa crise existencial. Isso o leva a descobrir que o ser humano é mais complexo do que imaginava.

O Homem que Caiu na Terra não é um livro alegórico de ficção científica. Não tem “aliens invadindo o mundo”, “terráqueos lutando para sobreviver”, “batalhas no espaço sideral” e etc e tal. O que o difere é o tom que adota, por vezes filosófico e reflexivo. É uma história sobre a solidão e a fragilidade das pessoas, sobre a desorientação das pessoas na vida, sobre a mesma fragilidade diante dos vícios que criamos para nós mesmos e como falhamos ao lidar com o nosso vazio existencial.

bowie_foto2

bowie_foto3

screenhunter_1331-nov

 

Como o livro foi escrito na década de 1960, a crítica associou o tom da história a um sentimento de conflito permanente, algo latente na época por causa da própria Guerra Fria, que começa no final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, e termina com a queda do Muro de Berlim, em 1989. Fala-se muito sobre guerras nucleares, o homem destruindo o planeta, a escassez de recursos naturais como a água… temas que, na verdade, ainda nos preocupam hoje.

Há quem diga também que o livro foi uma espécie de autobiografia velada de Walter Tevis, que foi professor de literatura e passou por problemas com alcoolismo. De qualquer forma, ele inspira uma boa reflexão sobre o ser humano. O livro é considerado um clássico do gênero, tanto que já foi adaptado para o cinema também. Em 1976, um David Bowie marcado pelo visual andrógino de Ziggy Stardust caiu como uma luva no papel do exótico Thomas Newton.

A edição do livro é da Darkside Books, é bem bonita e vem com um marcador lindo do David Bowie. Leitura recomendada!

 

Assista a resenha em vídeo no Youtube

 

 

star4


Título: O homem que caiu na Terra (2016)
Autor: Walter Tevis
Editora: Darkside Books
Páginas: 224
Este livro no Skoob

SINOPSE – O Homem que Caiu na Terra tornou-se um verdadeiro clássico da literatura e uma das mais refinadas, sutis e delicadas ficções científicas já escritas. Publicado originalmente em 1963, ganhou reconhecimento em todo o planeta com a adaptação para o cinema dirigida por Nicolas Roeg em 1976. O filme também marcou a estreia de David Bowie no cinema encarnando o protagonista alienígena — para quem o papel parece ter sido especialmente pensado (o que não foi o caso): um ser andrógino, impúbere, alto para os padrões terráqueos, delicado, magro, polido e que tenta se adaptar à vida terrestre para sobreviver entre os humanos. Thomas Jerome Newton veio de Anthea para a Terra em uma missão desesperada para salvar os poucos habitantes que ficaram em seu longínquo e desconhecido planeta. Para isso, precisa construir aqui uma nave que possa trazer os trezentos de sua espécie que ainda vivem lá, onde a água acabou e os recursos são cada vez mais escassos. Com conhecimento e inteligência muito superior aos humanos, Newton logo se torna um empresário bem-sucedido do ramo de patentes tecnológicas e descobre também a solidão, o desespero e o álcool — criando uma delicada parábola sobre as mudanças que estavam ocorrendo entre os anos 1950, com o início da Guerra Fria. Walter Tevis (1928–1984) nasceu em São Francisco, Califórnia. Foi professor de literatura na Universidade de Ohio e autor de romances e contos traduzidos em pelo menos 18 idiomas. Três dos seis romances que escreveu foram adaptados para o cinema: The Hustler (1959), The Color of Money (1984) e O Homem que Caiu na Terra (1963). Este, dirigido por Nicolas Roeg em 1976, marca a estreia de David Bowie como ator. O filme logo se tornou um clássico e influenciou a cultura pop como poucas outras obras de ficção científica.

Compartilhe aqui!
  • 9
    Shares

Ana Paula Laux

Jornalista. Trabalha com curadoria de informação, gestão de mídias sociais e criação de conteúdo digital. Em 2014, lançou o e-book "Os Maiores Detetives do Mundo" (Chris Lauxx).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.