Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

11.22.63, a série baseada no livro de Stephen King - Literatura Policial

11.22.63, a série baseada no livro de Stephen King

franco4

Por Rodrigo Padrini – Ler um livro é como mergulhar num universo desconhecido, se apropriar dos seus elementos, respirar o ar que nos é oferecido e se posicionar lado a lado com o narrador que nos apresenta sua história. É uma experiência sempre solitária, afinal ninguém imagina os personagens, as cenas, as situações e os locais como você imaginou. Dessa forma, é sempre um risco muito grande escolher apenas uma possibilidade e traduzi-la em imagens.

Editado originalmente em 2011 com o título 11.22.63, Novembro de 63, de Stephen King, lançado pela Editora Suma em 2013, tornou-se um desses casos arriscados em 2016. O best-seller foi adaptado em uma minissérie de oito episódios, originalmente exibida pelo serviço de vídeo on demand Hulu em fevereiro de 2016. Como li o livro e, logo depois, assisti à série, decidi tecer alguns comentários sobre essa experiência, sem spoilers que farão com que você me xingue ao longo do texto.

giphy-1

Contando com a produção de J.J. Abrams e do próprio Stephen King, a minissérie estreou também no canal AMC em 1º de novembro de 2016, seguindo o título original do livro – 11.22.63 -, e trouxe o ator James Franco no papel de Jake Epping, nosso protagonista, e Sarah Gadon como Sadie Dunhill, e está disponível em DVD e Blu-ray.

Inicialmente, não contarei nenhuma novidade ao dizer que o livro possui um número infinitamente maior de detalhes e acontecimentos. Afinal, estamos falando de um livro com mais de setecentas páginas. No entanto, a adaptação foi bem sucedida ao introduzir novos elementos e um encadeamento diferente dos acontecimentos para produzir uma experiência dinâmica que coubesse em oito episódios de quarenta e poucos a sessenta minutos. A série é boa e o final muito emocionante.

Sobre o elenco, James Franco encarna bem o professor de inglês Jake Epping e não foge muito da personalidade que imaginei durante a leitura. Entretanto, no livro a rotina de Jake Epping no passado é mais explorada, assim como o seu relacionamento com os alunos e outros professores. Como na minissérie tudo é muito corrido – vamos ao que interessa -, essa caracterização do personagem deixa a desejar. Para quem apenas assiste à série, o protagonista pode não ser tão envolvente como no livro.

franco3

Outros personagens importantes no livro como Sadie Dunhill, Deke Simmons, Al Templeton, Lee e Marina Oswald estão bem representados, porém pouco explorados. O romance entre Jake e Sadie, por exemplo, possui uma importância muito maior no livro. O personagem Bill Turcotte ganhou um novo lugar na minissérie, alterando bastante as características da missão de Jake e sua relação com Lee e Marina Oswald, como relatadas no livro, onde é mais um coadjuvante. Se você seu o livro, talvez nem se lembre de quem ele é.

No início, não gostei e achei desnecessário, meio hollywoodiano, mas depois tudo fez mais sentido na dinâmica que escolheram. O ator George MacKay, que interpreta Bill, é bom e seu novo papel no enredo me pareceu uma forma de agilizar os acontecimentos e transformar em ação o que, no livro, são pensamentos de Jake Epping. Ao fim, no contexto da série, ficou até legal, mas prefiro o livro.

giphy-3

Sobre elementos como o figurino, os cenários, a trilha sonora e a caracterização da época, acredito que tornaram a experiência de assistir à série após a leitura algo um pouco mágico. Tudo se materializa em segundos e, só esses pequenos momentos, quando vemos o restaurante de Al, a chegada de Jake na década de 60, os carrões antigos circulando, já fazem a experiência valer à pena. A descrição feita magistralmente por King no livro ganha vida em todos os episódios. A música embala, envolve e fará você ver a série inteira “numa sentada só”.

serieking
9925Sobre a produção em si, não há do que reclamar.
Sempre fiquei com um pé atrás com as outras adaptações da obra do King, mas 11.22.63 surpreende

x
Não há nada cafona, amador e que não devia estar lá. A adaptação exclui muitos elementos do livro sim, mas o faz de forma criativa e consciente. As cenas finais do assassinato de John Kennedy, tão esperadas por qualquer leitor ou espectador, ficaram muito boas. Pequenas alterações comprometem um pouco a ideia do “passado obstinado”, como colocado por King no livro, mas nada que tire a emoção dos últimos episódios.

Sobre o que senti falta na série: do sangue e “do sobrenatural”. O livro nos apresenta as cenas sangrentas de violência com maior detalhe e profundidade, chocando o leitor pela gravidade dos ferimentos e comportamentos. Na minissérie, os eventos violentos são amenizados e rápidos – e, às vezes, nem entendemos tão bem porque estão acontecendo -, o que me parece quase uma tendência na adaptação de livros para a televisão. Será preguiça de investir na maquiagem? Será para tornar a série mais acessível ao grande público? É impossível mesmo? Não sei.

11-22-63-1x08

Quanto ao sobrenatural, a questão da viagem no tempo, das múltiplas realidades geradas por essas viagens e os efeitos colaterais são pouquíssimo trabalhados na série. O famoso “Homem do Cartão Amarelo” se torna quase um acessório, quando no livro se mostra um elemento fundamental e muito curioso nos últimos momentos. As “cordas de realidade” e o “efeito borboleta” são mais explorados no livro e a seção “ficção científica” está mais bem servida no livro que na série. O próprio final faz mais sentido no livro que na série, onde continua bom, mas meio deslocado.

Por fim, recomendo 11.22.63. A minissérie é muito bem produzida, com elenco de qualidade e ação do princípio ao fim. Para mim, o final do livro se tornou ainda mais emocionante após assisti-lo traduzido em imagens, acompanhado de cores, vozes e sons. Isso ocorre com diversas cenas e, talvez após ler o livro e assistir à série, “Novembro de 63” entre no seu TOP 5 de preferidos do King.

(Imagens: divulgação, Media Giphy)

rodrigo_perfil5

Rodrigo Padrini

Psicólogo, mestre e doutorando em Psicologia. Atua no sistema prisional. É músico e leitor assíduo de romances policiais, com aquele lugar especial no coração para Georges Simenon e Raymond Chandler.

5 comentários em “11.22.63, a série baseada no livro de Stephen King

  • janeiro 13, 2018 em 10:10 am
    Permalink

    É sempre mais fácil ler uma crítica negativa, talvez porque a palavra “crítica” seja por si só, aparentemente, negativa…estou lendo novembro de 63, e comentando sobre o livro, alguém me disse que existia uma série baseada no livro, resisti um pouco, mas acabei digitando “série baseada em novembro 63”…por sorte, o meu primeiro clique foi no link que se direcionava pra sua “crítica“…e, obrigado! Vou terminar a leitura e assistir os episódios, mas, com certeza vou aproveitar mais a experiência com as suas considerações! Obrigado!

    Resposta
    • janeiro 14, 2018 em 12:58 pm
      Permalink

      Obrigado Marcio. Já faz algum tempo que assisti à série, mas lembro q o q me incomodou foi apenas algumas mudanças nos eventos e a rapidez das coisas, já que o livro é muito rico em detalhes. Entretanto, o universo criado na série ficou muito legal e compensa.

      Resposta
  • março 8, 2018 em 4:02 pm
    Permalink

    Acabei de ler o livro. Lindo, sublime… Duro agora é enfrentar o luto de não mais conviver com aqueles personagens adoráveis, daí porque corri em busca da série. Infantilmente senti-me traído por não ver as cenas que imaginei projetadas na tela. As alterações do roteiro também me deixaram incomodado. Quase desisti de acompanhar a saga… O que mantém é a perspectiva do final. Por fim: porquediabos James e não George???!!!!!

    Resposta
    • março 9, 2018 em 3:23 am
      Permalink

      Pois é. Vai entender… Particularmente, achei a série boa. Mas não dá pra comparar com o livro.

      Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: