Piano vermelho, Josh Malerman (com spoilers)

Por Ana Paula Laux – Josh Malerman ficou conhecido pelo livro “Caixa de Pássaros”, um thriller psicológico que teve boa repercussão entre os leitores e que, por causa disso, vai até ganhar uma adaptação já confirmada pela Netflix com protagonismo de Sandra Bullock. Por ter chamado tanto a atenção com esse livro, acabei comprando o segundo thriller do autor sem pestanejar, “Piano Vermelho”, lançado no Brasil pela Editora Intrínseca.

O livro se passa depois da 2ª Guerra Mundial, e a história é sobre a investigação de um som estranho e potente que surge no deserto da Namíbia, capaz de desativar ogivas nucleares e armamentos de tropas antes enviadas para lá. Num esforço para descobrir o que pode ter uma natureza tão ameaçadora, o governo norte-americano acaba recrutando uma banda decadente de Detroit que já havia servido o exército, os Danes, para investigar de onde vem e o que é esse som. Ok, intrigante, curioso, original, pensei logo de cara. Que baita imaginação tem esse Josh Malerman! Só que o livro tem um problema pontual: a história não se desenrola, simplesmente não anda my friend, e aí temos uma situação modo enrolation que começa a ficar evidente lá pela metade do livro.

 

“Não há som no deserto, exceto o do vento…
Toda a vida no deserto se esconde.”

 

A trama é intercalada entre os momentos do grupo no deserto africano, momentos liderados pelo pianista Philip Tonka, e meses depois, quando ele já está num hospital militar se recuperando da coisa “monstruosa” que descobriu no deserto e que ele nunca revela, mas sabe-se que o feriu gravemente e transformou a vida dos envolvidos na missão. Não se pode imaginar menos do que algo genial para explicar a sucessão de viagens alucinógenas descritas pelo personagem nos buracos recônditos que encontra pelo caminho, com pinceladas de sobrenatural aqui e acolá. O autor tenta impor um ar abstrato e espiritual para essa descoberta sobrenatural no deserto, como se aquilo expressasse a partícula de medo interior dentro de cada um, como se a expressão do medo e da fúria viesse travestida em diferentes formas e cores – e pudesse literalmente tomar essas formas por notas de um som ancestral, trazendo lembranças de volta à vida, neutralizando armas, deformando organismos. Ok, eu entendi (eu acho). E achei vago. Deveras vago e viajão.
x

Kindle Paperwhite Wi-Fi, iluminação embutida, tela de 6” sensível ao toque de alta definição

Pra não dizer que tudo foi absolutamente ruim, realmente gostei do estilo do autor, que foi o que me conduziu de fato até o final da leitura. Mesmo tendo achado a história ruim gostei da forma como ela foi contada, achei o texto fluído, gostei dos capítulos curtos, achei que ele usou algumas metáforas interessantes e bem visuais em alguns momentos (adoro quando consigo visualizar a história durante a leitura, do meu jeito é claro, com as caras que eu dou pros personagens e as cores que eu escolho para os cenários). Então, no fim, não foi um desastre total.

 

“Mas, a maior parte se devia ao fato de que
nenhum deles podia ver as ideias dentro de sua mente.
É impossível radiografar a fúria.”

 

Tenho “Caixa de Pássaros” e ainda quero ler esse livro antes de ser adaptado para a Netflix. Porém esse “Piano Vermelho” dele, tão enigmático e obscuro, me pareceu um tanto quanto desafinado.

x

Confira a resenha em vídeo

[youtube=https://youtu.be/4OXXW0LgQ-s]

Título: Piano vermelho
Autor: Josh Malerman
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Este livro no Skoob

SINOPSE – Ex-ícones da cena musical de Detroit, os Danes estão mergulhados no ostracismo. Sem emplacar nenhum novo hit, eles trabalham trancados em estúdio produzindo outras bandas, enchendo a cara e se dedicando com reverência à criação — ou, no caso, à ausência dela. Uma rotina interrompida pela visita de um funcionário misterioso do governo dos Estados Unidos, com um convite mais misterioso ainda: uma viagem a um deserto na África para investigar a origem de um som desconhecido que carrega em suas ondas um enorme poder de destruição. Liderados pelo pianista Philip Tonka, os Danes se juntam a um pelotão insólito em uma jornada pelas entranhas mortais do deserto. A viagem, assustadora e cheia de enigmas, leva Tonka para o centro de uma intrincada conspiração. Seis meses depois, em um hospital, a enfermeira Ellen cuida de um paciente que se recupera de um acidente quase fatal. Sobreviver depois de tantas lesões parecia impossível, mas o homem resistiu. As circunstâncias do ocorrido ainda não foram esclarecidas e organismo dele está se curando em uma velocidade inexplicável. O paciente é Philip Tonka, e os meses que o separam do deserto e tudo o que lá aconteceu de nada serviram para dissipar seu medo e sua agonia. Onde foram parar seus companheiros? O que é verdade e o que é mentira? Ele precisa escapar para descobrir.

Ana Paula Laux

Jornalista. Trabalha com curadoria de informação, gestão de mídias sociais e criação de conteúdo digital. Em 2014, lançou o e-book "Os Maiores Detetives do Mundo" (Chris Lauxx).

11 comentários em “Piano vermelho, Josh Malerman (com spoilers)

  • julho 28, 2017 em 7:10 pm
    Permalink

    Vou aguardar “A Bateria Verde”, beijos!

    Resposta
  • agosto 1, 2017 em 4:57 pm
    Permalink

    Li Caixa de pássaros e detestei o final mas adorei a escrita, suspense maravilhoso! Quero ler Piano Vermelho pra ver que final ele deu p/ o livro mas parece que será outro que não vou engolir. Que coisa..

    Resposta
    • agosto 1, 2017 em 5:06 pm
      Permalink

      Pois é, que coisa mais curiosa né? Gostar do estilo e não gostar meeeesmo da história. Não costuma acontecer comigo de forma tão contrastante assim.

      Resposta
  • agosto 1, 2017 em 9:12 pm
    Permalink

    Ri pacas com essa resenha, meus deuses que incrível. Eu adorei o enredo e a sinopse do livro, mas ler uma resenha verdadeira sobre ele é mil vezes melhor ahhhhh adorei o que tu disse sobre o autor fazer um belo enrolation, mas ter tido uma baita ideia pro livro u.u

    Resposta
  • Pingback:[Semana Especial Piano Vermelho] Por outros pontos de vista…. | JETSS – SITES & BLOGS

  • novembro 30, 2017 em 4:35 pm
    Permalink

    Só tem algumas coisas que gostaria de ressaltar. Esse autor enrola demais, faz um mistério absurdo (que eu particularmente gosto muito), porém nunca mostra a criatura no final, me sinto sempre decepcionada com ele por isso.

    Resposta
  • dezembro 12, 2017 em 10:35 am
    Permalink

    Sabe quando começa a procurar resenhas para ver se tens interesse pela leitura? Estou ao inverso, lendo resenhas para me animar a CONTINUAR com ela… Realmente amei Caixa de Pássaros,mas este livro foi uma grande enrolação só, e não aguento mais, começo a ler e durmo de tão enrolado e chato a historia. Estou na página 200 e não tem jeito, vou abandonar a leitura. Creio que tua resenha me ajudou a ver que o problema é o livro mesmo….

    Resposta
  • junho 27, 2018 em 11:49 am
    Permalink

    Li “Caixa de pássaros” e achei incrível, esse foi um dos motivos pelo qual comprei o piano vermelho. No entanto já estou com ele a meses e não consigo ler, comecei umas duas vezes e simplesmente ele “enche de nada”, a paciência vai embora e não consigo ir adiante.Acho que será daqueles livros que lerei quando não tiver nada mais interessante pra fazer.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *