Mulheres detetives perseguem criminosos em clássicos vitorianos

Por: Miriam Diez Bosch
Tradução: Ana Paula Laux
 
Via Aleteia – Imagine: uma mulher intrépida na era vitoriana: ela pedala sua bicicleta, dirige carros, quebra as regras, dispensa encontros de chá, tira as impressões digitais de cadáveres e comete crimes menores para resolver casos mais difíceis (todos considerados quase escandalosos para a época).

Podemos ler sobre essas mulheres detetives no The Penguin Book of Victorian Women in Crime, uma antologia em inglês compilada pelo autor de ficção e antologista Michael Sims, que reúne histórias sobre as detetives da era vitoriana, como Loveday Brooke, Dorcas Dene e Lady Molly – e também um seleto grupo de criminosos.

 
 

Sims mostra o seu fascínio por essas mulheres: “Em vez de conversar sobre moda no boudoir enquanto seus maridos fumavam charutos após o jantar, essas mulheres desbravaram uma Londres enevoada perseguindo suspeitos”.

Durante os últimos anos da era vitoriana, a opinião pública na Grã-Bretanha ficou fascinada com a figura suspeita conhecida como a “nova mulher”, a detetive pioneira que perseguiu suspeitos através da espessa névoa de Londres. Aqui estão alguns nomes cujas obras são extraídas no livro, e seus famosos detetives de ficção:

 

C. L. Pirkis (1841-1910)

Primeira autora a criar a personagem de uma mulher detetive: a astuta Loveday Brooke. Brooke é uma investigadora particular respeitada, socialmente versátil e constantemente pendendo entre a princesa e a donzela, entre a cidade pequena e a cidade grande, de acordo com Sims. Ao contrário de muitas obras de detetive vitorianas, as histórias de Brooke não fazem parte de uma série de romances que convergem em um desenlace final; cada história é independente, como nos casos de Sherlock Holmes. Uma das histórias mais famosas é “Drawn Daggers”, de 1893. Suas histórias completas podem ser lidas gratuitamente online aqui, em inglês.

 

Mary E. Wilkins (1852-1930)

Wilkins foi uma autora popular e respeitada, considerada uma das melhores criadoras de personagens da Nova Inglaterra. Em sua famosa história “The Long Arm”, a partir de 1895, a protagonista Sarah Fairbanks não é uma detetive profissional mas ela tem todos os recursos para ser uma. Um detetive masculino se junta a ela e, juntos, realizam uma investigação que levará a uma confissão detalhada do assassino. As obras de Wilkins estão disponíveis gratuitamente neste site, em inglês.

 

Anna Katharine Green (1846-1935)

Uma das figuras mais destacadas na história da literatura policial, influenciando autoras como Agatha Christie. Ela foi uma poeta e romancista nascida em Nova York, em 1846. Seu personagem mais famoso é Ebenezer Gryce, do Departamento de Polícia de Nova York. Green também criou Amelia Butterworth e Violet Strange. Seu romance policial mais conhecido é “The Leavenworth Case”, uma história whodunnit (quem fez?) publicada nove anos antes de Sherlock Holmes dar as caras na literatura. O livro fez incrível sucesso e tornou o nome de Anna Katherine Green conhecido até hoje. Histórias gratuitas online (em inglês) podem ser lidas aqui.

Compartilhe aqui!
  • 147
    Shares

5 comentários em “Mulheres detetives perseguem criminosos em clássicos vitorianos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Que tal assinar a nossa newsletter?

Holler Box