O monge de O Nome da Rosa que foi inspirado em um escritor famoso

Tramas policiais não são para intelectuais, certo? Errado! Solucionar crimes é trabalho para contemporâneos, cercado de máquinas e aparatos tecnológicos, certo? Mais errado ainda!

A prova disso atende pelo nome de Guilherme de Baskerville, franciscano que desvenda uma série de assassinatos num mosteiro italiano em pleno século 14. O personagem é o detetive de O Nome da Rosa, romance histórico escrito pelo italiano Umberto Eco.

 

Do único amor terreno de minha vida não sabia, e nunca soube, o nome.

 

A história é cheia de referências e homenagens. Uma das mais curiosas refere-se a Jorge de Burgos, o monge cego que guarda a biblioteca do mosteiro. O personagem é inspirado em um grande escritor, o argentino Jorge Luis Borges, que também perdeu a visão e chegou a dirigir a Biblioteca Nacional da República Argentina.

 

Jorge Luis Borges

 

Sem contar que a biblioteca é labiríntica e esse tema dos labirintos é um dos temas mais preferidos do Borges.

 

Fonte: Os maiores detetives do mundo
[Imagem: Divulgação]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *