resenha

A garota na teia de aranha, de David Lagercrantz


teia_mateus2

O DRAGÃO ESTÁ NERVOSO (MAS NÃO MUITO)
Os erros e acertos – mais acertos do que erros – do novo livro baseado nos personagens de Stieg Larsson
Por Mateus Baldi

 

Ao longo da história recente da literatura, dezenas de bastiões, verdadeiros representantes de nichos consolidados, foram revisitados após a morte de seus autores. Por praticidade, a literatura policial demonstrou ser o gênero mais prolífico no que tange à adaptação/continuação de sagas, séries e legados de autores. Sherlock Holmes, James Bond, Sydney Sheldon. Todos foram às prateleiras em obras de caráter duvidoso e ajudaram a botar uma grana no bolso das editoras.

Com isso em mente, era mais que natural o receio do mundo literário quando os herdeiros de Stieg Larsson anunciaram que o autor David Lagergrantz, repórter que escrevera a biografia de Ibrahimovic, daria continuidade aos personagens Lisbeth Salander e Mikael Blomkvist.

Larsson, o sueco criador da trilogia Millennium, foi vítima de um infarto fulminante antes que seus livros chegassem às livrarias – portanto não teve como testemunhar o sucesso avassalador da dupla: a trilogia vendeu 80 milhões de exemplares ao redor do globo e o primeiro volume, Os homens que não amavam as mulheres, foi justamente eleito melhor romance policial dos últimos dez anos. Carregada de feminismo, tecnologia, violência e um retrato brutalista da pacata Suécia, as prosa de Larsson atingiu em cheio todo um nicho refém das mesmas técnicas batidas de sempre, que convenciam ao requentar fórmulas batidas de um gênero idoso.

A missão de Lagercrantz, adianto desde já, foi cumprida com sucesso: copiando o estilo e a construção dos livros, ele conseguiu manter vivo o espírito de Larsson e construir uma trama intrincadíssima sem cair na maioria dos clichés. Mas eu disse maioria. Como tratava-se de um livro para comemorar o aniversário de dez anos do lançamento da trilogia, nada melhor do que homenagear a matéria-prima, certo? O problema é que Lagercrantz homenageia demais, deixando algumas coisas meio que sem sentido. O retorno dos agentes da Säpo – a polícia secreta sueca –, queridinhos dos leitores, me pareceu um tanto quanto forçado, ainda que renda boas cenas de ação e humanidade, principalmente na figura de Jan Bublanski, um policial judeu desacreditado com a vida e a existência de Deus.

Mesclando vários pontos de vista, assim como na trilogia, David oferece nesse “Aquilo Que Não Mata” – título sueco, extraído de uma frase de Nietzsche – um retorno aos dois últimos livros. Não só trazendo os policiais de volta, mas também toda a mitologia de Zalachenko e o passado de Lisbeth – muito bem recriado, deixando margem para algumas interpretações –, Lagercrantz foi feliz na escolha da trama principal: um cientista em perigo acaba recorrendo a Mikael; enquanto isso, um hacker invade a rede interna da NSA, a mesma denunciada por Edward Snowden. Conforme as páginas avançam, os fatos se cruzam numa cadeia cada vez mais intrincada onde as informações vão sendo despejadas em doses homeopáticas, como num filme de suspense – assassinos, União Soviética, autistas, espionagem industrial e personagens riquíssimos: está tudo lá.

(Em alguns pontos da narrativa fica difícil crer nas soluções apresentadas pelo autor, e para o grande público, eu diria, compreender o significado de termos cibernéticos e matemáticos será uma grande batalha. Os diálogos também parecem forçados aqui e ali, mereciam uma edição mais rigorosa).

x

teia_mateus

x

Mas vamos ao que interessa:

Lisbeth e Mikael. Se o segundo aparece amargurado e distante do homem pragmático e objetivo que sempre foi – é o único personagem para quem o tempo parece ter passado; sério, todos os outros parecem ter ficado presos em 2003 –, a hacker favorita da literatura mundial retorna em grande estilo. Aparecendo pouco, como sempre, Lisbeth é providencial – e praticamente divina – quando tem de ser. Talvez falte um pouco de agressividade e cenas das tradicionais torturas físicas e psicológicas que seus inimigos costumam sofrer, mas o leitor fiel não vai se incomodar muito com isso.

O grande problema no arco de Lisbeth é a forma como ela se conecta com toda a história: pode ser que tenha sido uma decisão arriscada demais por parte do autor, e não vou desfilar argumentos aqui para não dar o inevitável e temido spoiler, inserir certos elementos do passado de Lisbeth como motor das 465 páginas desse romance. No esforço de se manter autoral, emular Stieg Larsson e agradar os fãs, David Lagercrantz fez um verdadeiro tour de force. Errando bastante, com certeza, mas acertando em cheio na nostalgia & diversão, A Garota Na Teia De Aranha é um ótimo entretenimento e deixa margem para continuações num final um tanto quanto decepcionante. O sueco já declarou que pretende escrever mais um ou dois livros, e depois cair fora. Não quer ser Stieg Larsson para sempre. De qualquer forma, é fato que, com Lagercrantz ou não, Lisbeth e Mikael voltarão.

star3

lisbeth2Título: A garota na teia de aranha
Autor: David Lagercrantz
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 472
Este livro no Skoob

SINOPSE – Uma muralha virtual impenetrável: é assim que se pode definir a rede da NSA, a temida agência de segurança americana. Quando a mensagem “Você foi invadido” piscou na tela de Ed Needham, responsável pelos computadores que guardam alguns dos maiores segredos do mundo, ele custou a acreditar. A tentativa de localizar o criminoso também não trazia frutos, as pistas não levavam a lugar nenhum, cada indício terminava num beco sem saída. Que hacker seria capaz de algo assim?

mateus_banner_novo2

Anúncios

12 respostas »

  1. Terminei hoje o livro e farei minha própria resenha, porém concordo bastante com esta. O autor deixa a desejar em muitos aspectos se o compararmos ao ilustre Mr. Larsson, mas não quer dizer que ele tenha fracassado. Só acredito que tivesse sido melhor ele anunciar um spin-off, e não uma continuação direta da saga. Talvez assim a história ficasse menos forçada, no sentido de que eu a teria pegado para ler sem pensar no que o verdadeiro autor faria. De qualquer forma, é uma trama excelente e eu estou com raiva até agora de quem esse maldito resolveu matar. hahaha

    Curtido por 1 pessoa

  2. Comecei a ler e ainda não consegui me desvencilhar da ideia “o que Larsson teria feito….”, li a trilogia e assisti os filmes e o que eu mais senti falta nesse começo foi da Lisbeth, principalmente de sua filosofia passiva-agressiva, pelo menos por enquanto não vi Lagercrantz aproveitar o real potencial dela. Só espero que vá ficando melhor com o tempo, e realmente não me importo desse autor escrever mais 2 livros, afinal o mais importante é Lisbeth e Mikael voltarem 🙂

    Curtido por 1 pessoa

  3. Gostei da resenha bem honesta, me deixou com o pé mais atrás… Já estava porque foi um livro que gostei muito, tanto que evitei comprar o livro vou ler em ebook pra ver o que acho primeiro! Mas acho difícil ficar plenamente contente com uma continuação assim acho que os personagens são parte do autor…

    Curtido por 1 pessoa

  4. Não gostei muito do livro, achei fraco, se perde em explicações para tornar viável a estoria, perdendo assim o suspense, além de Lisbeth mais parecer neste livro, uma heroína de estorias em quadrinhos.

    Curtido por 1 pessoa

  5. A Trilogia Millennium é perfeita, para mim, a melhor do século XXI, porém esse quarto livro li e não gostei.
    Esse negócio de escritor “reserva” nunca deu certo.
    Li 1Q84 de Murakami e quando terminei o segundo livro estava convencido que a trilogia 1Q84 iria superar a Millennium, porém quando terminei o terceiro livro foi uma decepção total.

    Curtido por 2 pessoas

  6. Acabei de ler o livro. No geral, achei a história boa, até quero ler os outros títulos que Lagercrantz já escreveu. Não achei o livro tão cheio de explicações, como muitos disseram. Stieg também tinha uma primeira metade um pouco lenta, até que vc chegava em um ponto do livro que era difícil parar de ler. Lagercrantz conseguiu manter uma coisa de Stieg, todo personagem mau caráter ou criminoso era homem. Exceto por Camilla, todas as mulheres eram descritas de forma humana com bom carter, embora algumas mais fracas que outras. Mas Stieg tinha um estilo insubstituível. Os diálogos pareciam mais naturais, agora ficaram não só mais forçados, como muitos já disseram, mas até meio bobos. Quanto a Lisbeth, achei que sorria muito mais do que antes e que suas falas não pareciam dela. Achei que ela acabaria com o tal Lasse no estilo de sempre, mas essa cena foi a maior decepção para mim. Ela simplesmente o mandou embora e ele foi… Mikael continua um cara legal.

    Curtido por 1 pessoa

  7. Sou uma Fã Stieg, e a principio até a metade do livro rejeitei o autor Lagercrantz, achei dificil de ler, Os diálogos pareciam mais naturais nos livros anteriores, e me prendia mais, mas me surpreendi porque começa a ficar bom ele reacendeu a Camila de uma forma fascinante que antes apenas tinha mencionado por Stieg, amei e recomendo, acredito que a gente começa a ler já fazendo comparações com os anteriores pelo autor, Nota 8,5

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s