parceria

Serial Killers: Anatomia do Mal, de Harold Schechter


serial7Livro cedido em parceria com a Darkside Books

 

Por Ana Paula Laux – De acordo com Platão, “os bons homens se limitam a sonhar aquilo que os maus praticam”. Então será que todas as pessoas possuem um lado oculto que é fascinado pelo proibido? O que difere as pessoas “normais” dos chamados “assassinos em série”?

“Serial Killers: Anatomia do Mal” (Darkside Books, 2013) é um livro duro de terminar. Não porque seja desinteressante ou ruim, longe disso! É porque é uma prova real do projeto falho que representa parte da humanidade, e como alguns de nós não conseguimos ser, de fato, humanos para com o próximo. Claro que estou generalizando, mas a sensação como um todo é desoladora. A cada novo capítulo de Harold Schechter, vão se misturando o medo e a perplexidade ao constatar como vivemos num mundo tão cheio de perigos e de armadilhas.

Este é o melhor e mais completo guia sobre assassinos em série que eu já li! Aqui o leitor descobrirá conceitos básicos, como o que é um serial killer, ou os tipos de assassinato classificados e as diferenças entre termos como psicopata e psicótico (o escritor Herman Melville já falava sobre isso em 1924). Também encontrará uma infinidade de casos que marcaram a história da criminologia, desde Gilles de Rais, nobre francês que estuprou e matou centenas de crianças no século 15, até Jeffrey Dahmer, assassino que cometia necrofilia e canibalismo com suas vítimas e que morreu em 1994.

serial4“De todas as criaturas já feitas, o homem é o mais detestável… Ele é a única criatura que causa dor por esporte, com consciência de que isso é dor.”
(Mark Twain)

Eu achava que era uma coisa mais antiga, mas o termo propriamente dito – “serial killers” – foi criado por um agente especial do FBI só no final do século 20. Porém, não se pode dizer o mesmo dos assassinos em série. Esses sempre existiram na história da humanidade. Dos mitos gregos antigos às histórias de cavaleiros medievais e de Shakespeare, há uma montanha de evidências durante os séculos do homem que mata por prazer e de seus atos assustadores. Antigamente, o imaginário coletivo os definia como “demônios assassinos” ou “diabos em forma humana”, e seus crimes eram transmitidos pelas letras de cantiga e contos de fada (como em várias histórias dos Irmãos Grimm).

serial5

Schechter tenta responder muita coisa em “Anatomia do Mal”. Por que serial killers matam? Como tornam-se criminosos? Como escolhem suas vítimas? Quais características têm em comum, se é que têm? Dividido em nove capítulos, o livro apresenta uma variedade de seções sobre os temas abordados, como os casais que matam juntos, os pedófilos, os médicos assassinos, os envenenadores, os errantes, os “pais de família”, os torturadores, os atiradores e aqueles que mataram pela fama ou para imitar outros criminosos. Há ainda uma galeria com os dez piores serial killers da história (mas apenas nos Estados Unidos), com nomes como Edward Gein (a inspiração para o personagem Norman Bates, de Psicose) e o pedófilo e canibal Albert Fish, uma das figuras mais tétricas e repugnantes de todas.

Os exemplos de horrores da vida real são incontáveis, mas escolhi dois estudos de caso que me impressionaram porque representaram para mim a essência da loucura e da maldade. O primeiro é o caso de Richard Case, conhecido como “Vampiro de Sacramento” e que morreu em 1980. Diagnosticado com esquizofrenia, ele assassinava suas vítimas, depois desmembrava os corpos e bebia seu sangue, ou ainda fazia batidas repulsivas no liquidificador com entranhas e sangue de pequenos animais. O segundo caso é o de John Wayne Gacy, ou “O Palhaço Assassino”, que matou pelos menos 33 pessoas em seis anos. Durante o dia, ele vestia a máscara do ‘empresário respeitável’ que era voluntário no hospital da cidade, entretendo crianças doentes com uma fantasia de palhaço. À noite, ele molestava, assassinava e enterrava o corpo de garotos no porão da própria casa. Segundo o autor do livro, Pennywise, o palhaço criado por Stephen King no livro “It, A Coisa”, foi inspirado em John Wayne Gacy.

serial2“A definição do FBI para serial killer é qualquer pessoa que mata 3 ou mais vítimas com um intervalo de tempo entre cada homicídio. E assim o fazem por prazer.”

Guiados pelas sensações de dominação, manipulação e controle das vítimas, dá para concluir que serial killers têm alguns pontos em comum: uma infância de maus tratos, uma sensação de inutilidade e de baixa auto-estima, famílias fragmentadas e disfuncionais, exposição à violência e tratamento abusivo no passado. O que não significa que todos que passam por essas situações na infância tornem-se futuros criminosos.

A verdade é que há ainda muito a se descobrir sobre os comportamentos psicóticos desses criminosos, e talvez essa falta de respostas seja o ponto mais assustador. Ao contrário do que o psiquiatra Cesare Lombroso acreditava no século 19, não há características físicas que identifiquem serial killers. Mas uma coisa é certa: eles têm um vínculo frágil com a realidade, gostam de causar sofrimento nas pessoas e não sentem remorso algum por isso. Alguns até se consideram tão inteligentes que chegam a guardar provas incriminatórias de seus crimes, supondo que nunca serão capturados. Como o indivíduo que guarda uma caneta-tinteiro cheia de arsênico, ou um diário com o nome das vítimas ou até mesmo registros em vídeo das barbáries.

serial6“Os bons homens se limitam a sonhar aquilo que os maus praticam”
(Freud, A Interpretação dos Sonhos, 1899)

Para quem procura material sobre o tema, fica a dica. Com um catálogo repleto de histórias, fotos, ilustrações, bibliografia sugerida e ainda uma diagramação incrível, “Serial Killers: Anatomia do Mal” é praticamente uma enciclopédia sobre assassinos em série. Nota máxima.

O que eu gostei?
Sou fã de uma boa pesquisa, por isso gostei da riqueza de informações recolhidas pelo autor. Desde a escolha dos temas e subseções à diagramação versátil e o trabalho de arte, tudo ficou impecável nesse livro.

O que eu não gostei?
Não há muitos casos brasileiros (apenas 1 ou 2, se não me engano). Sei que o guia é uma tradução de uma publicação norte-americana, mas mesmo assim fez falta já que o autor escreveu sobre vários casos que aconteceram na Europa também.

Os apelidos infames
“O Assassino do Batom”, “Os Estranguladores da Colina”, “O Assassino dos Classificados”, “Pastor Diabolique”, “Assassinos do Pântano”, “Monstro de Dusseldorf”, “Estripador de Yorkshire”, “Assassino de Noivas na Banheira”.

star5

serial1Título: Serial Killers: Anatomia do Mal (2013)
Autor: Harold Schechter
Páginas: 480
Editora: Darkside Books
Este livro no Skoob

SINOPSE – Histórias reais, assassinos reais, de uma maneira que você nunca viu, estudados com profundidade, rigor científico e conhecimento psicológico. Um livro que vai atrair a atenção dos fãs das séries CSI, Dexter, Criminal Minds e do Canal Discovery Investigation e de todos aqueles que que querem entender o que se passa na mente dos assassinos mais temidos e cruéis de todos os tempos.

ana2

Anúncios

2 replies »

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s