RESENHA | A Viúva, de Fiona Barton

* Pode conter spoilers da história

 
“A Viúva” é um thriller psicológico escrito pela jornalista inglesa Fiona Barton. É o livro de estreia dela, um best-seller do The New York Times (nada mal para um primeiro livro) e que foi publicado no Brasil pela Editora Intrínseca.

A história é sobre o desaparecimento de uma menina de dois anos do quintal da própria casa, que some sem deixar rastros num drama que comove a Inglaterra. A polícia fará investigações e logo se concentrará em um suspeito, um homem aparentemente convencional, casado com uma mulher aparentemente submissa.

Contado de forma não linear, o livro já apresenta a viúva do suspeito lembrando do caso no primeiro capítulo, e nos capítulos posteriores revivendo a exposição na imprensa, as acusações e ameaças anônimas, o julgamento e a vida de casada. 

Os capítulos são contados sob o ponto de vista de três pessoas: a viúva, o detetive, que luta de forma obcecada para enquadrar o suspeito, e a repórter de um dos jornais da cidade, que persegue a notícia como um cão caçando uma lebre. Em certo trecho, a repórter poderia estar falando pela autora mesmo, quando reflete sobre ser jornalista e como, apesar de celebridades e críticos acharem que todos odiavam a imprensa, ela “fazia parte da vida deles (dos entrevistados), parte de um acontecimento que mudara tudo para a maioria dessas pessoas”.

 

 

Se um dos mistérios é descobrir o que aconteceu com a menina desaparecida, outro enigma em si é a própria viúva, uma personagem dúbia que ora parece uma mulher dedicada ao marido, enfrentando com ele as acusações da polícia e da imprensa, ora parece uma atriz encenando um papel na vida daquele casal. Qual será a verdadeira personalidade desta mulher?

 

A tensão é muito bem construída no livro, que se concentra no aprofundamento psicológico da protagonista.

 

Durante boa parte da história, ela expõe os medos e as emoções mais íntimas sobre seu casamento e o que sentiu ao lado do homem que todos consideravam culpado de um crime hediondo, mesmo sem ter sido condenado pela polícia por falta de provas. O que me faz acrescentar que o fim, em si, não é tão determinante para se gostar do livro ou não. O valor da história não está no final, e sim na forma como ela é contada. 

Essa ficção também me lembrou um caso real que comoveu os ingleses anos atrás, o caso Madeleine McCann, a garotinha que desapareceu em Portugal em 2007. E não foi para menos. Ao pesquisar sobre a autora, descobri que ela cobriu este caso na época pelo jornal que trabalhava, inclusive se deslocando até Portugal para fazer a cobertura. Escrevendo com experiência de causa, suas impressões sobre este e outros casos policiais que participou como repórter dão a credibilidade que a história exige para ser bem contada.

Descobri ainda duas coisas interessantes. A primeira é que “A Viúva” foi recomendado por Stephen King no Twitter, um elogio que, convenhamos, ninguém dispensaria. No tweet, ele escreve que quem gostou de “Garota Exemplar”, de Gyllian Flynn, e A Garota no Trem, de Paula Hawkins, deve gostar deste livro também.

screenhunter_1509-feb-24-11-08

A segunda é que os direitos de adaptação já foram comprados, e em breve esta história vai virar filme. Quem deveria interpretar a misteriosa viúva no cinema?
 

. Livro enviado para o blog pela Editora Intrínseca. 

star4

viuvaTítulo: A Viúva
Autora: Fiona Barton
Tradutor: Alexandre Martins
Editora: Intrínseca
Páginas: 304
Este livro no Skoob

SINOPSE – Ao longo dos anos, Jean Taylor deixou de contar muitas coisas sobre o terrível crime que o marido era suspeito de ter cometido. Ela estava muito ocupada sendo a esposa perfeita, permanecendo ao lado do homem com quem casara enquanto convivia com os olhares acusadores e as ameaças anônimas. No entanto, após um acidente cheio de enigmas, o marido está morto, e Jean não precisa mais representar esse papel. Não há mais motivo para ficar calada. As pessoas querem ouvir o que ela tem a dizer, querem saber como era viver com aquele homem. E ela pode contar para eles que havia alguns segredos. Afinal, segredos são a matéria que contamina (ou preserva) todo casamento. Narrado das perspectivas de Jean Taylor, a viúva, do detetive Bob Sparkes, chefe da investigação, cuja carreira é posta em xeque pelo caso, e da repórter Kate Waters, a mais habilidosa dos jornalistas que estão atrás da verdade, o romance de Fiona Barton é um tributo aos profissionais que nunca deixam uma história, ou um caso, escapar, mesmo que ela já esteja encerrada.

 

Compartilhe aqui!

Ana Paula Laux

Jornalista. Trabalha com curadoria de informação, gestão de mídias sociais e criação de conteúdo digital. Em 2014, lançou o e-book "Os Maiores Detetives do Mundo" (Chris Lauxx).

2 comentários em “RESENHA | A Viúva, de Fiona Barton

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Que tal assinar a nossa newsletter?

Holler Box