resenha

Uma janela em Copacabana, de Luiz Alfredo Garcia-Roza


IMG_0665

Por Rodrigo Padrini – Temos o costume de exaltar cidades como Paris, Londres, Nova Iorque, Roma, Amsterdam, Viena ou Praga, por exemplo, como ícones de uma beleza única e cenários peculiares, dignas de um bom romance. A cidade do Rio de Janeiro deveria sempre também figurar entre estes palcos, que aguardam apenas a entrada de protagonistas e coadjuvantes para atuar em seus contornos.

“Uma Janela em Copacabana” (Companhia das Letras, 2010) é o romance policial de Luiz Alfredo Garcia-Roza que inspira uma nova série brasileira de televisão do canal GNT, dirigida por José Henrique Fonseca e que irá ao ar a partir do próximo dia 15 de outubro. Com o título de “Romance Policial – Espinosa”, a atração promete mexer com os coraçõezinhos dos apaixonados pelo autor.

Garcia-Roza nasceu no Rio de Janeiro em 1936 e se formou em psicologia e filosofia, atuando como professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e escrevendo vários livros sobre filosofia e psicanálise. Ao deixar a vida acadêmica, se dedicou aos romances policiais, criando uma série de investigações com o Delegado Espinosa. Para os psicólogos de plantão, esse Garcia-Roza é o mesmo do famoso livro “Freud e o inconsciente” (Editora Zahar, 1996) e confesso que minha ficha só caiu no meio do livro. Sim, sou meio desligado.

Não conhecia os livros – policiais – do autor e tive o meu primeiro contato com o Delegado Espinosa neste romance sobre o qual escrevo. Adepto de refeições rápidas e morador do bairro do Peixoto, Espinosa nos passa a impressão de um homem calejado e objetivo, sozinho e de vida tranquila. Prefiro não me aprofundar nas características de um personagem que acabo de conhecer e guardar maiores considerações para resenhas mais gabaritadas, como essa do próprio site.

roza_janela“Abriu as venezianas da sala deixando o ar circular, passou a massa congelada do congelador para o forno de micro-ondas, e sentou-se no sofá, de frente para a praça, esperando os três apitos que anunciariam que o jantar estava pronto”

Quanto ao enredo, você encontrará uma trama agradável e cativante, tipicamente real e absurda no limite das loucuras normais do dia-a-dia. Após o “assassinato em série” de alguns policiais na zona sul do Rio de Janeiro, um clima de medo e desconfiança recai sobre as delegacias de polícia e cabe ao Delegado Espinosa recrutar companheiros fiéis para conduzir uma investigação sigilosa e cercada de perigos.

Durante pouco mais de duzentas páginas, não temos uma narrativa alucinante ou em clima de suspense constante. Pelo contrário, encontramos uma escrita elegante, com toques de ironia, humor e objetividade tipicamente atribuída ao masculino. Convivemos com Espinosa em sua rotina, nos trajetos a pé de seu apartamento até a delegacia, nos momentos de isolamento em seu reduto e na intimidade com suas mulheres.

Não me lembro de ter lido diálogos tão bem construídos como li neste romance, que ao mesmo tempo me envolviam por sua simplicidade e seriedade, e me faziam também rir sozinho. É possível captar a essência de cada personagem, por mais curtas que sejam suas aparições e imaginar todo o universo envolvido. Poderia ler mais quatrocentas páginas de conversas entre os detetives Ramiro, Welber, Artur e o Delegado Espinosa.

“- Quem são vocês? Não foram mandados pelo doutor?
– Fomos mandados pelo doutor sim, aqui estão nossas identificações, o que não sabemos é se o nosso doutor é o mesmo seu…”

Esse é um daqueles livros que ao chegarmos ao final, queremos voltar a diversos trechos e ler de uma forma diferente, agora que sabemos o que realmente se passou. Excelente leitura.

Para concluirmos, comecei a ler este romance com grandes expectativas, afinal, Luiz Alfredo Garcia-Roza é referência da literatura policial brasileira e não podemos esperar menos destes grandes ícones. O que vi superou minhas expectativas e me lembrou em muitos momentos a maestria de Georges Simenon ao nos trazer as aventuras do Comissário Maigret, e o humor sagaz de Raymond Chandler. A natureza humana está em evidência nessas linhas e toda a sua profundidade está acessível a todos.

parceria_clube

star5

janela2Título: Uma janela em Copacabana
Autor: Luiz Alfredo Garcia-Roza
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 232
Este livro no Skoob

SINOPSE – Copacabana, Rio de Janeiro. Dois policiais são executados em curto espaço de tempo. Suas mortes têm muito em comum. Ambas as vítimas eram tiras de segundo escalão, com carreiras medíocres. Foram eliminados pelo mesmo homem, um assassino que dispara à queima-roupa e não deixa rastro. O mundo policial entra imediatamente em rebuliço. Quem estaria disposto a correr o risco de sair matando tiras, ainda que inexpressivos? Percorrendo as ruas de sua geografia predileta, entre os bairros do Leme e de Copacabana, o delegado Espinosa terá de desvendar esse mistério.

rodrigo_perfil3

Anúncios

5 replies »

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s