resenha

Voo Fantasma, de Bear Grylls


grylls3

Por Rogério Christofoletti – A receita é manjada, mas ainda funciona. Junte conspirações mundiais, segredos da Segunda Guerra Mundial e cenários exóticos. Despeje generosas doses de ação e espalhe corpos de coadjuvantes pelas páginas. Adicione um protagonista determinado e corajoso, mas com uma tragédia familiar recente. Não se esqueça de salpicar com algum suspense, e, por fim, cubra um terço da capa do livro com o nome do autor, que convenientemente é uma celebridade midiática. Pronto! Sirva ainda quente.

“Voo Fantasma” (Ed. Record), a estreia do apresentador de TV e aventureiro Bear Grylls na ficção, funciona com esse modo de preparo. O thriller conta a saga de Will Jaeger numa missão mercenária para encontrar um misterioso avião nazista em plena floresta amazônica. Trata-se de uma rara aeronave, uma lenda militar, “o avião que nunca existiu” que só poderia mesmo realizar um voo fantasma. Saltos de para-quedas, lutas corporais, aranhas, piranhas, jacarés, índios isolados, sanguessugas e traições corporativas recheiam as 460 páginas do volume, que periga causar indigestão. Nada disso. É só mais um livro de entretenimento assinado por alguém que é do ramo da aventura e não da literatura.

grylls4

Se na tevê Bear Grylls enfrenta desfiladeiros, feras e condições extremas; no mundo dos livros, ele não se arrisca tanto. Em “Voo Fantasma”, seu heroi é um aventureiro com treinamento militar (como ele!), viaja pelo mundo em busca de encrencas (como ele!), e sobrevive a quase tudo (como ele!). Will Jaeger tem a mesma idade que o apresentador de “À prova de tudo”, um biotipo semelhante e até um avô com passado misterioso e nome parecidos. Seus olhos têm a mesma cor, e os nomes de criador e criatura têm exatamente a mesma quantidade de letras. Se para alguns escritores, a literatura é uma forma de descentramento, de fuga de si, para Grylls, nenhum lugar é mais confortável e seguro para reforçar o self. As escolhas são todas deliberadas e ninguém há de cobrar isso do autor: ele é bem grandinho e assume suas broncas com as mãos praticamente limpas, basta ver seus programas na tevê.

grylls1

“Voo Fantasma” oferece uma narrativa absolutamente linear. Não existe alternância de focos narrativos nos 94 capítulos, e o leitor se acostuma a não desgrudar de Will Jaegger. Estamos com ele numa masmorra perdida da África, em queda livre e em apuros, na garupa de sua moto envenenada. A adrenalina move não apenas os músculos dessa mistura de Rambo e Jason Bourne, mas também as engrenagens da história. Frias estratégias militares, ofensivas espiãs e planos mirabolantes de conquista global contrastam com o dramático desaparecimento da esposa e do filho do herói em circunstâncias misteriosas. Em termos psicológicos, os personagens recebem esquemáticas pinceladas, o suficiente para que confiemos (ou não) neles. O leitor está por sua conta e risco, como bem gosta Bear Grylls.

grylls5

Acostumado ao sucesso mundial na televisão, o autor oferece ação e diversão em doses crescentes. A leitura é fácil e agradável, apenas sendo necessário desviar dos lugares-comuns e contornar as soluções redacionais mais convenientes. Não espere além disso, pois o repertório literário dele é bastante limitado. Se isso garantisse munição, Grylls não sobreviveria muito tempo na selva editorial. Mas o homem é um forte, sabemos nós. E como a adrenalina vicia, ele não para no ponto final. A continuação de “Voo Fantasma” – “Anjos em Chamas” – sai nos próximos meses, anuncia a editora. Melhor guardar fôlego.

parceria_record

star3

bearTítulo: Voo fantasmamaxresdefault
Autor: Bear Grylls
Páginas: 462
Editora: Record
Este livro no Skoob

SINOPSE: Mãe e filho são sequestrados de dentro de uma barraca numa montanha nevada. Um soldado leal é torturado e executado num pântano remoto. Um avião de guerra desaparecido, contendo um segredo de proporções catastróficas, é descoberto no coração da Floresta Amazônica. Uma única trama une esses três acontecimentos, e só um homem será capaz de desvendá-la: Will Jaeger, o caçador. Jaeger, ex-combatente do Serviço Aéreo Especial britânico, se vê envolvido numa conspiração que pretende fazer renascer das cinzas o Terceiro Reich de Hitler – e que vai levá-lo da África, via Reino Unido, para as profundezas da Amazônia, onde se escondem segredos macabros da Segunda Guerra Mundial.

roger12

Anúncios

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s