resenha

CRÍTICA | Escuridão total sem estrelas, de Stephen King


Por Rodrigo Padrini – Lembra daquela vez que você encontrou um sujeito estranho numa barraquinha de beira de estrada e comprou na mão dele mais cinco anos de vida? Não? E aquele dia que você descobriu, após trinta anos de casados, que o seu marido (ou sua esposa) tinha como hobby torturar e assassinar mocinhas (ou mocinhos) do interior? Bom, talvez isso não aconteça com todo mundo.

Nunca fui um grande fã de livros e filmes de terror ou suspense, pelo menos até conhecer a minha noiva, que me carregou para o mundo dos filmes ‘de tomar susto’. Desde então, uma vez ou outra, confesso que uma história bizarra aqui ou ali faz bem para o coração. Só não vejo filmes de extraterrestres, eles me dão calafrios e me fazem dormir com a luz acesa.

“Escuridão total sem estrelas” (Suma de Letras, 2015) é um livro de contos de Stephen King, escritor americano famoso por seus clássicos de horror e ficção, e provavelmente, conhecido por todos os fãs de cinema ou literatura. Com uma bela edição – capa preta e borda das páginas também preta -, o título é cativante e garante bons momentos de leitura.

São quatro contos. O primeiro, ‘1922’, ocupa quase metade do livro e me lembrou ‘Crime e Castigo’ de Dostoievski, guardadas às devidas proporções. É um relato surreal de um assassinato em um ambiente rural isolado, no qual o agricultor Wilfred nos dá um exemplo de como certos caminhos podem nos levar ao fundo do poço. Literalmente. O segundo, ‘Gigante do Volante’, é também um conto mais extenso e envolve estupro, violência, vingança e loucura. O melhor, na minha opinião.

Processed with VSCOcam with b1 preset

“Streeter sorria, estava se divertindo. Ele teria dito que se divertir era algo
impossível nos últimos tempos, mas a vida era cheia de surpresas”

x

Os contos restantes, ‘Extensão Justa’ e ‘Um bom casamento’, são curtos e divertidos. Sim, divertidos. Stephen King escreve de forma excepcional e tem um humor ácido que deixa até a pior bizarrice ironicamente engraçada. Talvez, estes últimos dois contos sejam mais próximos de nossa realidade. Podem acontecer com qualquer um. Como diriam os entusiastas do clássico filme “Forrest Gump”, merdas acontecem (shit happens). O que torna tudo mais interessante é a forma como reagimos a elas.

Um detalhe que para mim tornou o livro ainda mais interessante é o posfácio escrito pelo autor. Em poucas páginas, King comenta sua inspiração para cada conto, o que tinha em mente, o que procurava explorar com cada história e que elemento acionou a sua criatividade naquele rumo. Mas não vá direto ao posfácio antes de ler os contos, ou vai estragar tudo.

E você, já leu? Comente suas impressões sobre mais essa obra do mestre do horror.

parceria_suma

star5

escuridaoTítulo: Escuridão total sem estrelas
Autor: Stephen King
Páginas: 392
Editora: Suma de Letras
Este livro no Skoob

SINOPSE: Na ausência da luz, o mundo assume formas sombrias, distorcidas, tenebrosas. Em Escuridão total sem estrelas os crimes parecem inevitáveis; as punições, insuportáveis; as cumplicidades, misteriosas. Os personagens dos quatro contos de Stephen King passam por momentos de escuridão total, quando não existe nada — bom senso, piedade, justiça ou estrelas — para guiá-los. Suas histórias representam o modo como lidamos com o mundo e como o mundo lida conosco. São narrativas fortes e, cada uma a seu modo, profundamente chocantes.

rodrigo_perfil3

Anúncios

5 replies »

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s