resenha

CRÍTICA | Vertigo (Um corpo que cai), de Boileau-Narcejac


Arquivo_000

Por Rodrigo Padrini – O limite entre a razão e a loucura sempre foi objeto de mistério. Não é de hoje que os humanos buscam estabelecer a linha que separa os normais dos diferentes, em uma espécie de frenesi para se manterem distantes da insanidade. É antigo também o desejo por dar nome e corpo às suas emoções, seus delírios e suas paixões, buscando determinar o momento em que saímos da racionalidade, da objetividade, e nos perdemos em devaneios.

Se me perguntassem hoje do que se trata o livro do qual falaremos agora, eu responderia: é uma história de amor e um belo suspense psicológico. O romance “Vertigo” (Editora Vestígio, 2016), de título original D’entre les morts, publicado em 1954, é o livro que deu origem ao filme clássico de mesmo nome dirigido por Alfred Hitchcock – o mestre do suspense – em 1958. No Brasil, o filme ficou conhecido como “Um corpo que cai”.

Escrito pela dupla de escritores franceses Pierre Boileau (1906 – 1989) e Thomas Narcejac (1908 – 1998), “Vertigo” é um livro que indico para os amantes de um bom suspense subjetivo. Se esta categoria não existe, acabamos de inventá-la.

Antes de comentar a história, vou me deter brevemente na belíssima edição de luxo da Editora Vestígio. Para os amantes do livro impresso, é um material para curtir com o olfato, a visão e o tato. As páginas densas, em papel off-white, a capa dura e os acabamentos detalhados dão ao título o valor que ele merece, digno de figurar entre os principais na prateleira da sua casa. Nada contra os e-books, mas…

Arquivo_001

Situado na França, durante a Segunda Guerra Mundial, o enredo traz apenas alguns elementos que nos ajudam a perceber aonde estamos pisando, sem grande ênfase ao contexto histórico. Afinal, grande parte da história se passa na cabeça de Flavières, um policial aposentado precocemente, e em seus diálogos com sua querida Madeleine, sua pequena Eurídice. É sua percepção do mundo que nos guia.
x

“Pois há verdades em que não podemos deter nosso pensamento sem sentir imediatamente uma vertigem da alma, cem vezes mais horrível que a vertigem do corpo”

x
Nos tempos de hoje, Flavières seria medicado com alguns psicotrópicos, seria submetido a uma psicoterapia ou análise, encaixado em algum diagnóstico e tudo seria bem mais controlado do que foi. Quem sabe, seria taxado como louco.

No entanto, muitos já disseram que a paixão tem um pouco de loucura. Como nos lembra o filósofo francês Michel Foucault, “a psicologia nunca poderá dizer a verdade sobre a loucura, pois é a loucura que detém a verdade da psicologia”. Neste romance, queremos testar os limites do razoável, do racional e do sobrenatural.

“Vertigo” consegue ser um pouco assustador, angustiante, fazer com que você comece a odiar o protagonista e pensar “onde diabos essa história vai dar?”. Fui enganado grande parte do tempo na leitura. Imaginei outros finais, e nunca poderia imaginar qual seria o escolhido. Aliás, termino minha leitura com a sensação de que o final pode ser interpretado de mais de uma maneira. “Morrer não dói”, disse Madeleine.

Se você pensou “mas não estamos num blog de literatura policial? Não estou entendo esse amor todo”. Calma. Temos aparentes suicídios, sangue, miolos, investigação, suspeitos e fugas. Amor e ódio na medida certa. Intrigas e tensões, como todo relacionamento que envolve dois ou mais seres humanos. Este não é um clássico à toa. Um pouco de “Vertigo” lhe fará bem.

parceria_vestigio

star5

vertigoTítulo: Vertigo (Um corpo que cai)maxresdefault
Autor: Boileau-Narcejac
Tradutor: Fernando Scheibe
Páginas: 192
Ano: 2016
Editora: Vestígio
Este livro no Skoob

SINOPSE – Encarregado por um antigo colega de seguir sua jovem e bela mulher, o detetive Flavières logo se vê perdidamente apaixonado pela moça. Essa impropriedade não o impede de investigar os temores de seu amigo Gévigne a respeito da esposa: suas ausências, seus mistérios, uma melancolia que a leva a olhar para as águas do Sena por horas a fio… Nenhum amante, nenhuma simulação, nenhuma doença. Apenas uma estranha relação com a bisavó, morta em circunstâncias terríveis e a quem a jovem Madeleine não chegou a conhecer… Um clássico de Pierre Boileau e Thomas Narcejac, especialistas na arte de conduzir a trama – e o leitor – até onde menos se espera.

rodrigo_perfil3

Anúncios

10 replies »

  1. Olá, Rodrigo,
    Acompanho sempre as resenhas do site, talvez desde o princípio, e sempre venho aqui procurar dicas de leitura. Mas sempre sinto falta de ver o nome dos tradutores e das tradutoras nas resenhas — o Vertigo, por exemplo, foi traduzido pelo Fernando Scheibe. Eu sou tradutora também, e psicóloga, e esse é um movimento que a gente vem fazendo, de conscientização para que o nome dos tradutores e tradutoras sempre apareça nas resenhas e nos materiais de divulgação dos livros. Nosso trabalho e tão importante quanto o trabalho dos autores e das autoras 🙂
    Obrigada, Marcia

    Curtido por 2 pessoas

      • Olá, equipe,
        Eu que agradeço, e pode ter certeza de que não só eu, mas tradutores, tradutoras, leitores e leitoras também. Conheço muita gente que compra livro por causa da pessoa que traduziu, e ter essas informações disponíveis é fundamental para nós. Um abraço, obrigada! 🙂

        Curtido por 2 pessoas

      • Olá, pessoal, eu que agradeço pelo comentário. Rodrigo, acho que seria legal que toda a equipe passasse a fazer isso, já vi várias resenhas que não as suas que não trazem essa informação. Boas leituras !!!!

        Curtido por 1 pessoa

  2. Oi Rodrigo!

    Fiquei empolgadíssima quando descobri esse lançamento da Vestígio porque sou fã da obra do Hitchcock e “Um corpo que cai” é justamente o meu filme favorito dele, mas eu já havia perdido as esperanças de encontrar o livro em português.

    E que bom que a editora caprichou nesta edição! O livro sem dúvida merece. Também não tenho nada contra ebooks, mas não consigo me concentrar da mesma forma. Para mim, a leitura envolve todos os sentidos, como você falou.

    Mal posso esperar para fazer a leitura e ficar angustiada como você.

    PS: Adorei a categoria “Suspense Subjetivo”. Eu certamente leria todos os exemplares do gênero, rsrs

    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s