Objetos Cortantes, de Gillian Flynn

Por Josué de Oliveira – Ninguém gosta de protagonistas perfeitos. Quando nos voltamos para a ficção, temos o anseio de encontrar nas pessoas que habitam o mundo fictício traços que as assemelhem às do real. E, mais do que as muitas qualidades que um ser humano possa ter, é em seus defeitos, nos vícios, nos cantos sombrios e tons escuros de quem ele é que encontramos os espelhos que mostram mais claramente nossa semelhança. Protagonistas perfeitinhos demais não são unanimidade já há algum tempo, no cinema, na tevê e na literatura. Gostamos mesmo é de gente complicada.

Antes de escrever “Garota Exemplar” – livro que tirou “Cinquenta tons de cinza” do primeiro lugar das principais listas de mais vendidos e ganhou uma elogiada adaptação para o cinema pelas mãos de David Fincher –, Gillian Flynn já havia produzido outras duas obras. “Objetos Cortantes” (Editora Intrínseca) foi seu romance de estreia lançado em 2006, e sua protagonista, Camille Preaker, é extremamente instável e autodestrutiva – o tipo de gente que adoramos ler.

Repórter do Daily Post, de Chicago, Camille é enviada a Wind Gap, Missouri, onde deve cobrir as buscas por uma adolescente desaparecida. Todos suspeitam que algo está para acontecer: há meses, outra garota passou um período desaparecida – antes de ser encontrada morta, seus dentes arrancados. Mas a ida a essa pequena cidade tomada pela tensão tem outros significados para Camille: trata-se de sua cidade-natal, onde ainda vivem a mãe – com quem mantém uma relação fria e distante –, o padrasto indiferente e uma meia-irmã muitos anos mais nova, com a qual jamais conviveu. Desse contato com a família, antigas feridas se reabrem e interferem na investigação.

 

Nada parecido com a alternância de pontos de vista e as idas e vindas no tempo que caracterizam “Garota Exemplar”: aqui, estamos sempre presos ao olhar de Camille e a acompanhamos numa trama completamente linear.

 

O primeiro romance de Flynn é bastante tradicional em sua estrutura e se apoia em certos lugares comuns: a repórter em busca da verdade, o retorno à cidade natal, a comunidade pequena com mais a esconder do que parece. Trata-se de uma narrativa mais econômica e enxuta, com um pé mais firmado na literatura policial, algo que talvez surpreenda aqueles que primeiro se aproximaram da autora a partir da complicada história de Nick e Amy Dunne.

No centro de tudo está Camille. Seu desconforto em voltar a Wind Gap fica evidente desde o momento em que Frank Curry, seu editor, lhe incumbe de cobrir o assassinato e o desaparecimento. Desde o primeiro contato com a mãe, Adora, testemunhamos a crescente tensão que envolve a relação de Camille com a família distante. Flynn dá a este aspecto da história tanta importância quanto a investigação acerca das meninas, na qual a protagonista vai aos poucos se inserindo.

Se o ambiente em torno de Camille não é favorável, seu próprio estado mental não melhora a situação. Recém-saída de uma clínica psiquiátrica, a repórter esconde os motivos na própria pele, e o confessa ao leitor de modo quase casual: “Eu me corto, sabe?” O vício em cortar o corpo, gravar palavras meticulosamente escondidas sob as roupas, vem da adolescência, após a morte da irmã mais nova, Marian. O contínuo estresse da volta para casa faz com que os impulsos de Camille retornem, cada vez mais fortes, e o leitor é levado a se perguntar quanto mais ela irá aguentar sem sucumbir.

Fora a própria Camille, apenas dois outros personagens são desenvolvidos a fundo. Adora, sua mãe, é a figura mais intrigante do livro. Demonstrando uma estranha inabilidade de se efeiçoar à filha mais velha, a mulher revela facetas estranhas e age por vezes de modo incompreensível, aplicando regras ditadas por um ponto de vista próprio e indiscernível aos de fora. Amma, sua terceira filha – nascida vários anos depois da morte de Marian –, surge como um agressivo contraponto a Camille: jovem, atrevida, muito à vontade com a própria sexualidade e cruel com absolutamente todos a sua volta, ela ecoa uma juventude que a meia-irmã mais velha viveu, hoje perdida, irrecuperável. Os momentos em que Camille entra em conflito com Adora e Amma são os melhores do livro, funcionando como gatilhos para maiores revelações acerca da personalidade e do passado da protagonista.

Mas, se no terreno do desenvolvimento de personagens Objetos Cortantes se sai bem, a história é diferente na parte mais propriamente policial da trama. Pouca coisa acontece, e a sensação durante boa parte da investigação é estagnação. E, se isso faz parecer que há um tom de realismo empregado – quantas investigações na vida real ficam empacadas durante meses por falta de pistas e/ou incompetência dos responsáveis? –, o desfecho do romance deixa claro que, na realidade, havia simplesmente muito pouco a ser descoberto.

As descobertas finais, embora interessantes, são inquestionavelmente previsíveis. Uma reviravolta final que poderia render ótimos momentos praticamente não é explorada, inserida, encaminhada e concluída em poucas páginas. Com mais tempo, talvez o desfecho construído fosse mais memorável. A rapidez com que tudo acontece destoa do restante do livro e traz um desequilíbrio ao todo.

Tudo isso posto, “Objetos Cortantes” é um romance que fica na memória sobretudo por sua complexa e autodestrutiva protagonista em constante luta contra os próprios desejos – contra si mesma, portanto. Os demais elementos funcionam apenas modestamente. De toda forma, trata-se da estreia de Flynn – e, falando por mim, creio que “Garota Exemplar” demonstra que houve uma clara evolução.

star4

cortantesTítulo: Objetos Cortantes
Autora: Gillian Flynn
Editora: Intrínseca
Páginas: 256
Ano: 2015
Este livro no Skoob

SINOPSE: Recém-saída de um hospital psiquiátrico, onde foi internada para tratar a tendência à automutilação que deixou seu corpo todo marcado, a repórter de um jornal sem prestígio em Chicago, Camille Preaker, tem um novo desafio pela frente. Frank Curry, o editor-chefe da publicação, pede que ela retorne à cidade onde nasceu para cobrir o caso de uma menina assassinada e outra misteriosamente desaparecida. Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri, oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã, praticamente uma desconhecida. Mas, sem recursos para se hospedar na cidade, é obrigada a ficar na casa da família e lidar com todas as reminiscências de seu passado. Entrevistando velhos conhecidos e recém-chegados a fim de aprofundar as investigações e elaborar sua matéria, a jornalista relembra a infância e a adolescência conturbadas e aos poucos desvenda os segredos de sua família, quase tão macabros quanto as cicatrizes sob suas roupas.

 

Confira o trailer da HBO

Compartilhe aqui!

Josué de Oliveira

Formado em Estudos de Mídia pela UFF e vive em Niterói, RJ. Trabalha na área de desenvolvimento de livros digitais. Gosta de ler, escrever, ver filmes esquisitos e curte bandas que ninguém conhece. Atualmente, revisa seu primeiro romance policial.

3 comentários em “Objetos Cortantes, de Gillian Flynn

  • novembro 25, 2015 em 12:46 am
    Permalink

    Gostei muito da resenha, estou ansioso para saber qual vai ser o próximo livro da Gillian.

    Resposta
  • julho 12, 2018 em 3:28 pm
    Permalink

    Ler este livro é muito agradável! Meu conselho? Cai de cabeça! Vale a pena!!! O livro é bem escrito, todo em primeira pessoa e apresenta todos os acontecimentos e personagens sob a dimensão de Camille. A estrutura narrativa é bem montada, não sobra espaço para confusão e o desfecho é levemente deduzível, contudo até o último momento torcemos para que estejamos errados. Por outro lado a Minissérie (por certo, eu recomendo esta série Sr. Ávila: , também é uma ótima opção) Objetos cortantes estreou no domingo na HBO. Produção é inspirada em livro homônimo de Gillian Flynn. No primeiro episódio, Objetos cortantes vai aos poucos inserindo a história, que envolve tanto o mistério dos assassinatos quanto o mistério envolvendo o passado de Camille, uma mulher receosa da mãe, assombrada pelos fantasmas do passado que envolvem a morte de uma irmã, viciada em bebidas alcoólicas e também em automutilação. Mesmo assim, isso não torna a série lenta. Pelo contrário, ao entregar pouco, a produção faz com que o espectador queira seguir nessa história, que promete muitas reviravoltas. Visualmente, Objetos cortantes também é muito interessante. As cores extremamente fortes das cenas contrastam com a atmosfera de mistério que envolve a história. Outro ponto alto são os debates que a minissérie vai abordar como a relação entre mãe e a filha e, claro, a automutilação, algo que atormenta a vida da protagonista.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.