“Stranger Fans” é uma overdose dos anos 80

 

Por Rogério Christofoletti – Era mais do que esperado que, depois do sucesso de Stranger Things, aparecessem no mercado uma porção de produtos que celebrassem a galáxia simbólica que preenche e cerca o seriado dos Duffers Brothers.

Em três temporadas bem costuradas, a atração da Netflix não só fez um bem-vindo revival da década de 1980, mas também apresentou aos mais jovens muitos argumentos para negar que aquela tenha sido a “década perdida”. “Stranger Fans”, de Joseph Vogel, é um desses produtos previsíveis, já que é um guia das nerdices que atravessam o seriado, decifrando referências do cinema, música, TV, games e lifestyle da época.

Lançado originalmente nos Estados Unidos em 2018, quando havíamos mergulhado em apenas duas temporadas de Stranger Things, o livro oferece um bem-sucedido arremate cultural e sociológico sobre a década de 1980. Teria sido muito melhor se pudéssemos esperar uma obra que desse conta do arco de histórias que compõem as três temporadas, mas sabe como é fã: fã é um sujeito entusiasmado, ansioso, louco para compartilhar tudo o que sabe sobre aquilo que mais adoramos. E o escritor e crítico de cultura Joseph Vogel é um autêntico fã do seriado, como ele mesmo reconhece desde as primeiras páginas.

Apesar da ansiedade fanática, “Stranger Fans” não se limita a estabelecer ligações superficiais entre as aventuras de Dustin, Eleven & Cia. Faz um satisfatório contexto histórico e social, remexendo criticamente no período de Ronald Reagan na presidência dos Estados Unidos, no final da Guerra Fria, e no aumento da histeria em torno do fim da infância.

Isso nos leva inevitavelmente a pensar as transformações nos padrões de paternidade/maternidade e a refletir sobre as mudanças que a sociedade do país mais poderoso do mundo estava passando à época. Claro que esses câmbios se projetam nos produtos culturais, e é por isso que nossos heróis e vilões têm suas peculiaridades, e é por isso que valores como a bravura, a amizade e a tenacidade são tão celebrados.

 

Do processo de criação do logotipo do seriado à sua trilha sonora, passando pelos muitos easter eggs espalhados pelos episódios, somos freneticamente catapultados a um tempo repleto de inocência, energia e cor.

 

Sim, eu também vivi os anos 80 e assistir a “Stranger Things” reativou velhos e soterrados sentimentos. A leitura de “Stranger Fans” é um ótimo complemento, pelo menos até a página 189. A partir de lá, os editores brasileiros da DarkSide Books empreenderam um movimento ao mesmo tempo ousado e arriscado: convocaram especialistas em cultura pop para assinar textos e artes que poderiam servir de reforço ao trabalho original de Joseph Vogel. A ousadia é juntar tanta gente com talentos tão distintos numa empreitada como esta. O risco: calibrar qualidades diferentes sem empanturrar o leitor.

E é nesse aspecto que “Stranger Fans” peca, a meu ver. Pelo excesso. Depois do texto original de Vogel, temos mais umas cem páginas desses materiais extras, nem sempre com bons resultados e várias vezes repetindo ideias ou conceitos. Precisava tudo aquilo? Acho que não. Mas ninguém pode acusar os editores nacionais de ficarem com medinho de arriscar. Se estivessem com o bando de Hawkins, certamente, teriam entrado até a fissura do Mundo Invertido e peitado o Demogorgon…

Para os mais velhos, “Stranger Fans” evoca um sentimento importante para esses tempos sombrios que vivemos: nostalgia, a visitação a uma atmosfera familiar e acolhedora. Para os mais jovens, o livro de Vogel & Cia alimenta uma invejinha gostosa misturada com um desejo de ter experimentado aqueles tempos. Vale a viagem. Monte em sua BMX e pedale até o vento revolver os seus cabelos…

* Exemplar enviado ao site pela Editora Darkside Books.

 

SOBRE O LIVRO

Título: Stranger Fans
Autor: Joseph Vogel
Tradução: Flávia Gasi
Páginas: 304
Editora: Darkside Books
Compre o livro

SINOPSE – Quatro amigos inseparáveis se reúnem para uma partida de Dungeons & Dragons em uma casinha na pacata cidade de Hawkins. O temível Demogorgon parece incansável, o jogo termina tarde e já é hora de dormir. Os meninos sobem em suas bicicletas para voltar para casa, mas um deles nunca termina o caminho. Will Byers desapareceu misteriosamente, e algo estranho está prestes a acontecer… Desde sua estreia, em julho de 2016, Stranger Things se tornou um fenômeno global. A série é um mergulho completo nos detalhes vívidos e sensações de uma época: os adoráveis anos 1980. O clima de aventura, mistério, ficção científica e humor que ronda os filmes que mais amamos… Nada disso foi esquecido por Stranger Things. Outras produções audiovisuais tentaram evocar esse período e suas singularidades, mas nenhuma delas conseguiu um resultado que chegasse aos pés do sucesso da Netflix. Para muitos de nós, a década de 1980 significou bem mais do que um período de dez anos, e talvez o grande culpado por esse fenômeno seja o próprio tempo, que parecia avançar em um ritmo bem menos acelerado naqueles estranhos anos. Em Stranger Things, tudo remete a este período vivo, criativo e libertador: da trilha sonora do sintetizador às fontes retrô, dos nostálgicos acenos a Spielberg e Stephen King ao figurino impecável. E como amigos não mentem, a DarkSide® Books finalmente revela a surpresa que estava preparando para os leitores sedentos por muitas coisas estranhas: Stranger Fans ― A década de 80 no universo da série Stranger Things. O autor, Joseph Vogel, é fã de carteirinha da série e criou um documento completo que é uma verdadeira homenagem ao universo dos Irmãos Duffer. Falando de fã para fã, Vogel mergulha nos detalhes que tornaram essa década um terreno tão fértil para as ideias dos criadores de Stranger Things. Ele apresenta ainda informações preciosas e ilustrações de artistas que se inspiraram na sinergia sinistra que une a história, seus personagens e, é claro, os fãs. Um livro que evoca leitores e espectadores a compartilhar teorias e lembranças de uma série que veio para fincar raízes no imaginário pop mundial. Stranger Fans ― A década de 80 no universo da série Stranger Things é um livro completo que documenta quão imersa a série está na cultura dos anos 1980, desde sua trilha sonora até seus personagens, tecnologias e bicicletas. Entre as muitas curiosidades desvendadas por Joseph Vogel estão os videogames na casa de fliperamas Palace Arcade e como eles transformaram a cultura jovem nos anos 1980, os paralelos com et: O Extraterrestre, o contexto por trás de Dungeons & Dragons, como surgiram as caixinhas de leite com anúncios de crianças desaparecidas, os filmes e livros mais importantes para a série e muitas outras coisas que todo fã vai adorar saber. Prepare-se para entrar em uma verdadeira máquina do tempo. Se Stranger Things é uma carta de amor para os anos 1980, este livro é um guia minucioso para se apaixonar pela era revivida pela série.

Rogerio Christofoletti

Jornalista, dramaturgo e professor universitário. Já publicou 12 livros na área acadêmica e escreveu oito peças de teatro. É um dos autores do e-book "Os Maiores Detetives do Mundo" (Chris Lauxx).

Últimos posts por Rogerio Christofoletti (exibir todos)

Compartilhe aqui!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Rogerio Christofoletti

Jornalista, dramaturgo e professor universitário. Já publicou 12 livros na área acadêmica e escreveu oito peças de teatro. É um dos autores do e-book "Os Maiores Detetives do Mundo" (Chris Lauxx).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!